domingo, 5 de junho de 2011

Dia da Espiga (2011) - Alice anima o ano do Alecrím e da Papoila em Fanadia


Ola passengers !
Apresento hoje este desenho sobre o dia da espiga iniciado em 1968 por José Viegas Gregorio em Salir (Algarve). 
Este evento é também organizado pela D. Alice e S. Ramiro Gregorio todos os anos desde 1998 no Fanatequila Kafé em Fanadia (Estremadura).
Desta vez escolhi o alecrim como tema de acompanhamento desta mensagem, é dito que ele traz forca e saúde, acredito que havera por todos os amigos e familiares deste estabelecimento para o resto do ano.
Dia da Espiga na Fanadia
Foi no dia 2 junho 2011 que mais uma vez se comemorou o dia da espiga na Fanadia. D. Alice reuniu umas 80 pessoas para ir apanhar a espiga.
Seguindo a tradição, os ramos devem ter sempre espiga de trigo para que haja pão o ano inteiro, um ramo de oliveira para que não falte azeite paz e luz divina, folha de videira para chamar o vinho e alegria. Já as flores campestres devem ser malmequer (fortuna) papoila (amor e vida) e alecrim (saúde e força).
Depois desta caminhada foi oferecido um lanche pelo café Fanatequilla, local onde se dançou toda a tarde com música ao vivo animada pelo Sr. Galvão Ludevina que mais uma vez nos encantou com a sua linda voz.
A D. Alice agradece a todos os que colaboraram nesta festa com os seus doces e à Laurinda pelas lindas espigas de trigo que ela nos ofereceu para completar os nossos raminhos.
 Fonte Alice Gregório
O Alecrim
O alecrim (Rosmarinus officinalis) é um arbusto comum na região do Mediterrâneo ocorrendo dos 0 a 1500 m de altitude, preferencialmente em solos de origem calcária. Devido ao seu aroma característico, os romanos designavam-no como rosmarinus, que em latim significa orvalho do mar.

Como qualquer outro nome vernáculo, o nome alecrim é por vezes usado para referir outras espécies, nomeadamente o rosmaninho, que possui exactamente o étimo rosmarinus. No entanto estas espécies de plantas, alecrim e rosmaninho, pertencem a dois géneros distintos, Rosmarinus e Lavandula, respectivamente, e as suas morfologias denotam diferenças entre as duas espécies, em particular, a forma, coloração e inserção da flor.
Descrição

Arbusto muito ramificado, sempre verde, com hastes lenhosas, folhas pequenas e finas, opostas, lanceoladas. A parte inferior das folhas é de cor verde-acinzentada, enquanto a superior é verde brilhante. As flores reúnem-se em espiguilhas terminais e são de cor azul ou esbranquiçada. O fruto é um aquênio. Floresce quase todo o ano e não necessita de cuidados especiais nos jardins.

Toda a planta exala um aroma forte e agradável. Utilizada com fins culinários, medicinais e religiosos, a sua essência também é utilizada em perfumaria, como por exemplo, na produção da água-de-colônia, pois contém tanino, óleo essencial, pineno, cânfora e outros princípios ativos que lhe conferem propriedades excitantes, tônicas e estimulantes.

A sua flor é muita apreciada pelas abelhas produzindo assim um mel de extrema qualidade. Há quem plante alecrim perto de apiários, para influenciar o sabor do mel.
Utilização culinária / Aplicações medicinais
Fresco (preferencialmente) ou seco, é apreciado na preparação de aves, caça, carne de porco, salsichas, linguiças e batatas assadas. Na Itália é utilizado em assados de carneiro, cabrito e vitela. Em churrascos, recomenda-se espalhar um bom punhado sobre as brasas do carvão aceso, perfumando a carne e difundindo um agradável odor no ambiente. Pode ser utilizado ainda em sopas e molhos.
A medicina popular recomenda o alecrim como um estimulante às pessoas atacadas de debilidade, sendo empregado também para combater as febres intermitentes e a febre tifóide.

Uma tosse pertinaz desaparecerá com infusões de alecrim, que também se recomendam a todas as pessoas cujo estômago seja preguiçoso para digerir.

Também apresenta propriedades carminativas, emenagogas, desinfectantes e aromáticas. É ainda relaxante muscular, ativador da memoria e fortalece os musculos do coração. Cientistas dizem que ramos de alecrim deveriam ser dependurados em oficinas e areas onde crianças fazem tarefas escolares para um melhor funcionamento da memoria.

Uma infusão de alecrim faz-se com 4 gramas de folhas por uma chávena de água a ferver. Toma-se depois das refeições.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Para relembrar Leonardo - Os templos da historia de Agrigento (Sicilia)


Ola passengers !

Em 19 de Maio 2009 faleceu um grande amigaço dos meus pais, Leonardo, ele era siciliano e tinha emigrado tal como muitos lusos nestes tempos difficeis para viver uma existencia mais confortavel com a sua familia no sul da França.
Leonardo, como muitos portugueses em França, trabalhava na construção de casas, vivendas e até apartamentos de varios pisos. Ele tinha adquerido este saber em Sicilia, uma ilha Italiana rica de acontecimentos historicos com a ocupação militar de varias civilizações que lutaram para o seu dominio.
Então para o relembrar em 2011, decidi publicar este bilhete electronico com imagens do vale dos templos em Agrigento e o relato de um acontecimento historico que ele me contou quando eu trabalhava com ele durante o verão de 1983...
A batalha de Agrigento
A batalha de Agrigento (Sicília, 261 a.C.) foi a primeira batalha da Primeira Guerra Púnica e o primeiro confronto militar de grande escala ocorrido entre os cartagineses e os romanos. A batalha aconteceu após um extenso cerco iniciado em 262 a.C. e resultou, com a vitória romana, no controle de Roma sobre a Sicília.
Em 288 a.C., os Mamertinos, mercenários italianos, ocuparam a cidade de Messina, localizada numa região a nordeste da Sicília, matando todos os homens e tomando as mulheres como suas esposas. A partir daí, eles passaram a atacar e pilhar os campos e se tornaram um problema para a cidade independente de Siracusa. Quando Hierão II, de Siracusa, chegou ao poder, em 265 a.C., ele decidiu tomar uma atitude definitiva contra os Mamertinos e sitiou Messina. Os Mamertinos pediram ajuda aos dois Estados que, anteriormente, haviam lutado juntos contra Pirro: Cartago e Roma.

Interessados em ter controle sobre a ilha fértil da Sicília, Cartago e Roma enviaram exércitos para a área. Para os romanos, que não possuíam uma sólida frota militar até aquele momento, foi o primeiro envolvimento em uma campanha fora da Itália. Logo, o problema envolvendo Messina foi esquecido e o fato de que havia uma rivalidade entre estas duas potências, com o caso de Siracusa "esquecido" algum lugar entre elas, se tornou evidente. Nos anos seguintes, ocorreram poucos conflitos entre os exércitos, com os dois oponentes testando o terreno e aprendendo como manobrar e desenvolver táticas na região montanhosa da Sicília.
Após esta batalha (a primeira entre quatro batalhas travadas em terra durante a Primeira Guerra Púnica), os romanos ocuparam Agrigento e venderam a toda a população como escravos. Os dois cônsules foram vitoriosos, mas, devido à fuga de Gisco, provavelmente não foram aclamados com triunfos quando retornaram.

Após 261 a.C., Roma passou a controlar a maior parte da Sicília e e garantiu uma fértil fonte de cereais para uso próprio. Além do mais, sendo esta a primeira batalha de grandes proporções travada em um território fora da Itália, esta vitória deu aos romanos mais segurança para buscar possíveis interesses além-mar.

domingo, 1 de maio de 2011

Dia da máe (2011) - Memento de imagens da Fanadia por Alice


Ola Passengers !
Para concretizar este dia tão importante para os seres que nos amam, criei um novo podcast para o Dia das Mães. Muitas Felicidades a todas elas...
FELIZ DIA DA MÃE - AMO-TE MUITO...
A ideia do conceito surgiu pela primeira vez em 2009 quando usei o texto da historia de Anna Jarvis (Ler a reportagem numerica), um som fornecido pela tecnologia YouTube e imagens de realizações infanteis sobre o tema do dia da mãe para animar um clipe no ambito de oferecer a minha querida « maman » uma prenda a traves da internet...
Em 2011, decidi repetir este tipo de prenda electronica com a criação de um novo clipe produzido a partir de imagens realizadas no Fanatequilla Kafé e em Fanadia pela sua camera fotografica durante o ano 2010.
ORIGEM DO DIA DA MÃE
O Dia das Mães também designado de Dia da Mãe teve a sua origem no princípio do século XX, quando uma jovem norte-americana, Anna Jarvis, perdeu sua mãe e entrou em completa depressão. Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a ideia de perpetuar a memória da mãe de Annie com uma festa. Annie quis que a homenagem fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas. Em pouco tempo, a comemoração e consequentemente o Dia das Mães se alastrou por todos os Estados Unidos e, em 1914, sua data foi oficializada pelo presidente Woodrow Wilson: dia 9 de Maio.

Dados Históricos: A mais antiga comemoração dos dias das mães é mitológica. Na Grécia antiga, a entrada da primavera era festejada em honra de Rhea, a Mãe dos deuses.

O próximo registro está no início do século XVII, quando a Inglaterra começou a dedicar o quarto domingo da Quaresma às mães das operárias inglesas. Nesse dia, as trabalhadoras tinham folga para ficar em casa com as mães. Era chamado de "Mothering Day", fato que deu origem ao "mothering cake", um bolo para as mães que tornaria o dia ainda mais festivo.

Nos Estados Unidos, as primeiras sugestões em prol da criação de uma data para a celebração das mães foi dada em 1872 pela escritora Júlia Ward Howe, autora de O Hino de Batalha da República.

No Brasil, em 1932, o então presidente Getúlio Vargas oficializou a data no segundo domingo de maio. Em 1947, Dom Jaime de Barros Câmara, Cardeal-Arcebispo do Rio de Janeiro, determinou que essa data fizesse parte também no calendário oficial da Igreja Católica.

Em Portugal, o Dia da Mãe é celebrado no primeiro domingo de Maio.

Em Israel o Dia da Mãe deixou de ser celebrado, passando a existir o Dia da Família em Fevereiro.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Rebeca vai cantar um Dia pela Vida em Fanadia - Cantora supera tumor maligno e já canta


Ola passengers !
Não sabia o que inventar para este peixe de abril 2011, então me lembrei esta noite de uma historia que Alice, a minha acarinhada mãe, me tinha contado hà anos atrás...
O seu encontro com a Rebeca, uma reconhecida voz do Oeste que canta canções romanticas a encher os corações dos que se arriscam a escutar.
Tema do video : "Duas por três"; "Vou rezar por nós" por RTP em Julho 2010.
Assim estava encontrado, com esta anedota relembrada e uma boa noticia sobre o estado de saúde da cantora, o meu estratagema para fazer um peixe a todos os leitores deste blogger inclusivo aos meus propios pais. Rebeca vai cantar Um Dia pela Vida em Fanadia no Fanatequilla Kafé esta noite...

Rebeca supera tumor maligno e já canta

Rebeca está recuperada do problema de saúde que a afectou nos últimos meses e já dá espectáculos. A cantora nacional, natural do Campo, Caldas da Rainha, teve um “tumor maligno na tiróide” e foi duas vezes operada. Corria o risco de ficar sem voz para cantar, mas as intervenções cirúrgicas correram bem.

“Estive doente, fui operada em Janeiro e novamente em Abril, fiquei com a minha voz exactamente igual”, disse a cantora, numa entrevista à Mais Oeste Rádio (94.2 FM).

“Sei que há por aí pessoas que dizem que não vou cantar mais, nada disso, até pelo contrário, tenho já muito trabalho”, comentou.

“Estou óptima em relação à minha saúde. Não posso dizer que não foi complicado, porque foi, mas tudo passou, estou com muita força para cantar para os meus fãs e para quem gosta de música portuguesa”, declarou Rebeca.

A cantora descreveu o problema que teve: “Tinha vários nódulos na tiróide, foi localizado um aos vinte anos e os médicos sempre disseram que não era nada, aos 30 começou a crescer e teve de ser tirado. Era um tumor maligno, um carcinoma papilar variante folicular, mas não foi necessário fazer quimioterapia nem radioterapia. Por não ser evasivo tem cura a 100 por cento”.

O tumor na tiróide, que fica abaixo das cordas vocais, podia levar a cirurgia a deixar-lhe sem voz. Foram momentos complicados.

“Fazia todos os anos ecografia mamária e à tiróide e sempre me disseram que não era nada, mas o nódulo vinha a crescer, em Novembro fiz nova ecografia, vi que cresceu três mílimetros, fui a um endocrinologista, fiz uma biópsia e como era muito grande achou-se por bem operar. Mas foi muito díficil, teve que ser uma boa cirurgiã. Eu pensava que ia morrer”, recordou.

“Deixei de comer e fui buscar forças não sei onde. Tive a ajuda da família, marido e amigos, e só tinha pena do meu filho, não queria que ele ficasse sem mãe cedo”, desabafou.

Em Dezembro do ano passado, quando fazia espectáculos, pensava que “andava a despedir-me dos palcos e não voltava mais”.

No Inverno não pôde fazer mais espectáculos porque foi operada no Hospital da Luz e depois passou para o IPO de Coimbra. Tudo correu bem e agora Rebeca faz questão de apoiar pessoas nas mesmas circunstâncias: “Digo para levantarem a cabeça e não fazerem o que eu fiz, que era ficar deitada, não comer, não falar com ninguém, só chorar agarrada ao bebé. Têm de pesquisar se há solução, fazer exames. Tentar com a ajuda dos médicos e familiares, mas levantar sempre a cabeça”.

Rebeca realizou já alguns espectáculos em Maio e Junho. Esteve em A-da-Gorda, Óbidos, no dia 9, com mais artistas, na festa da 94.2 FM, no dia 11 regressou à A-da-Gorda, para a Festa de Santo António, e estará no dia 18, na festa dos santos populares no Casal Vau – Campo.

“O Verão é a época mais alta em espectáculos”, disse a cantora, que depois de “Vai ver se chove”, “Peço-te ajuda”, “Menina teus olhos”, “Jardim de sonhos”, “Confesso”, “Viragem”, “Êxitos” e “Não há Crise”, pensa lançar em 2011 um novo disco.

Por Francisco Gomes

Os mais lidos em WEB 2.0

Google+ Followers